No Expresso – Boa Cama Boa Mesa a 15.Maio.17

Por Paulo Brilhante

Pode o enoturismo transformar as regiões vitivinícolas em parques temáticos, como a Disneylândia? O que são vinhos naturais? O Madeira é um vinho de outro mundo? Estes são apenas alguns dos temas a debater no Wine Summit Cascais’17, que vai decorrer entre os dias 7 e 9 de junho. Trata-se uma iniciativa inédita em Portugal (e no mundo!) que vai juntar alguns dos mais respeitados e influentes protagonistas mundiais do setor, como Eric Asimov, crítico e editor-chefe de vinhos no New York Times, considerado uma das maiores e mais respeitadas autoridades sobre o universo vínico. Ao longo dos três dias desta cimeira, que terá como palco o Centro de Congressos do Estoril, pretende-se analisar “a indústria e as ideias, as tendências e os problemas, as oportunidades e os desafios. Será o espaço de excelência e de conhecimento, totalmente dedicado ao vinho”, explica a MUST – Fermenting Ideas, entidade que organiza o Wine Summit, e que é liderada por Rui Falcão, crítico de vinhos, e Paulo Salvador, jornalista.

Esclareça-se que esta cimeira não é uma mostra de vinhos, mas sim um espaço de debate para profissionais (embora aberta a quem quiser participar), que vai contar com duas dezenas de painéis temáticos, com oradores convidados, entre os quais estão, para já, apenas dois portugueses: o produtor Paul Symington, que vai falar sobre vinhos fortificados e o seu estatuto no atual mundo do vinho; e organizador, Rui Falcão, que promete provocar os participantes com a pergunta “É o Madeira, um vinho de outro mundo?”.

“Um dos aspetos importantes do Wine Summit é o fomento da discussão permitindo uma sessão de perguntas e respostas após cada apresentação, confrontado os oradores com perguntas sobre os assuntos que irão apresentar. Preveem-se algumas discussões acaloradas tendo em conta a irreverência de alguns oradores e a atualidade dos temas em discussão” vaticina Rui Falcão, acrescentando ainda uma novidade: “Temos mais um orador português que irá revelar ao mundo parte da investigação que está a ser feita numa das áreas que é mais querida e importante para Portugal, a indústria corticeira.”

Curiosamente, num mundo que tradicionalmente é dominado por homens, no Wine Summit entre os 18 oradores já anunciados estão… 9 mulheres! Felicity Carter, considerada como uma das mulheres mais poderosas no mundo do vinho, capaz de destruir ou glorificar qualquer produtor mundial; Alice Feiring, autora e jornalista; Cathy Huyghe, cofundadora da Enolytics, uma empresa que presta serviços de big data no setor do vinho; Huiqin Ma, especialista em marketing de vinho e em biologia molecular da uva; Lulie Halstead, CEO da Wine Intelligence e umas das mais conceituadas profissionais no mundo do vinho no que diz respeito a estratégia do negócio; Mariette Du Toit-Helmbold, que vai responder à questão: “Pode o enoturismo transformar as regiões vitivinícolas em parques temáticos, como a Disneylândia?”; Michelle Bouffard, uma das pessoas mais influentes do universo do vinho canadiano; Natalia Velikova, professora universitária e investigadora em marketing de vinho e comportamento do consumidor; e Paz Levinson, considerada uma das melhores sommeliers do mundo. Perante esta evidência, Rui Falcão garante que a paridade entre sexos nunca foi uma preocupação: “Nenhum dos oradores foi convidado para preencher quotas ou para dar um ar de paridade. Todos os oradores foram convidados por serem os melhores em cada um dos seus campos. Conseguimos reunir um leque de oradores como nunca tinha sido possível antes, em nenhum evento mundial. Acabou por ser uma feliz coincidência que confirma que o mundo do vinho, apesar do conservadorismo que lhe é inerente, não só não é sexista como não está preso a barreiras de género.”

Para poder participar nesta grande cimeira dedicada ao mundo dos vinhos ainda existem passes para os três dias de debate (incluindo refeições), que custam €720 (acresce IVA). Em alternativa, foram colocados à venda 50 bilhetes de um dia (€300 + IVA).

Ver artigo completo.